Promoção

Curso: Os fazeres dos Idosos em ILPIs

R$ 315,00 R$ 245,00

Até 12 vezes no Cartão de Crédito

OU

Depósito bancário: 10% de desconto (entrar em contato: cursos@portaldoenvelhecimento.com.br)

 

Datas:

16/03

23/03

30/03

 

Horário: 9h às 13h
Carga horária: 12 horas (3 encontros de 4 horas)

 

Como os idosos residentes em instituições de longa permanência poderão usufruir de uma velhice ativa e com qualidade a partir de serviços individualizados que respeitem a personalidade, privacidade, modos de vida diversificados e dando-lhes a oportunidade de encontrar desejos e necessidades ocupacionais ímpares diante de uma rotina institucional necessária? Questão polêmica e complexa que envolve aspectos políticos, sociais, econômicos, de saúde e psicoemocionais, que nos traz à tona a cotidianidade institucional e de que maneira ele facilita ou impede os fazeres dos residentes. Sabe-se que o fazer humano é essencial ao equilíbrio físico, psicoemocional e social do idoso, na medida em que favorece o continuar vivendo, mesmo que fatos negativos possam interpor-se ao processo de envelhecimento. Estimula-o a continuar a fazer planos, estabelece os contatos sociais, tornando ativo, participante de sua comunidade, autônomo, aos olhos da sociedade, um velho sem o estigma de velho. Daí a importância de se discutir quais ocupações estão sendo dadas aos idosos residentes nas instituições de longa permanência, quais os critérios de escolha e se estas satisfazem as necessidades físicas, emocionais e sociais de cada um.

 

Conteúdo Programático

 

A opção pela institucionalização e os desafios do longeviver em uma instituição.

As instituições de longa permanência no Brasil.

O idoso residente e os aspectos do cuidado e da qualidade de vida na instituição de longa dependência.

Os fazeres cotidianos e de rotina institucional.

A dificuldade de adesão as atividades.

A importância da ocupação significativa e dos papéis ocupacionais na velhice.

A indicação de atividades para o idoso residente a partir de uma avaliação criteriosa – Elaborando um diagnóstico.

Estudo de caso.

Comparar
Categoria

Descrição

Como os idosos residentes em instituições de longa permanência poderão usufruir de uma velhice ativa e com qualidade a partir de serviços individualizados que respeitem a personalidade, privacidade, modos de vida diversificados e dando-lhes a oportunidade de encontrar desejos e necessidades ocupacionais ímpares diante de uma rotina institucional necessária? Questão polêmica e complexa que envolve aspectos políticos, sociais, econômicos, de saúde e psicoemocionais, que nos traz à tona a cotidianidade institucional e de que maneira ele facilita ou impede os fazeres dos residentes. Sabe-se que o fazer humano é essencial ao equilíbrio físico, psicoemocional e social do idoso, na medida em que favorece o continuar vivendo, mesmo que fatos negativos possam interpor-se ao processo de envelhecimento. Estimula-o a continuar a fazer planos, estabelece os contatos sociais, tornando ativo, participante de sua comunidade, autônomo, aos olhos da sociedade, um velho sem o estigma de velho. Daí a importância de se discutir quais ocupações estão sendo dadas aos idosos residentes nas instituições de longa permanência, quais os critérios de escolha e se estas satisfazem as necessidades físicas, emocionais e sociais de cada um.

 

Conteúdo Programático

 

A opção pela institucionalização e os desafios do longeviver em uma instituição.

As instituições de longa permanência no Brasil.

O idoso residente e os aspectos do cuidado e da qualidade de vida na instituição de longa dependência.

Os fazeres cotidianos e de rotina institucional.

A dificuldade de adesão as atividades.

A importância da ocupação significativa e dos papéis ocupacionais na velhice.

A indicação de atividades para o idoso residente a partir de uma avaliação criteriosa – Elaborando um diagnóstico.

Estudo de caso.

 

Objetivo

Dialogar e refletir sobre os fazeres do idoso residentes em instituições de longa permanência e seus desafios diante de uma rotina institucional necessária. Além de tomar consciência da importância da ocupação significativa na velhice.

 

Datas

Sábados:

 

16/03

23/03

30/03

 

Horário: 9h às 13h
Carga horária total: 12 horas

 

Docente

Maria Amélia Ximenes Correia Lima tem graduação em Terapeuta Ocupacional pela Universidade de Fortaleza (UNIFOR, 1985), Especialista em Psicologia da Saúde (UNESP/BAU,2003) e em Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana (FIOCRUZ, 2014), Mestre em Gerontologia (PUC/SP, 2005) e Doutora em Ciências Sociais (Antropologia) pela PUC/SP (2011). Atualmente é Servidora Pública Federal do Instituto Nacional do Seguro Social (desde 2008) atuando na Reabilitação Profissional e Professora Adjunta da Universidade do Sagrado Coração (USC/BAU) desde 2001. Coordena o grupo de pesquisa Longevidade, Envelhecimento, Ocupação, Cultura, Saúde e Qualidade de Vida. É colaboradora do Web site Portal do Envelhecimento e em suas atividades acadêmicas interage com diversos colaboradores em co-autorias de trabalhos científicos. Tem experiência na área de Terapia Ocupacional, com ênfase em envelhecimento humano e saúde no trabalho atuando principalmente nos seguintes temas: longevidade, envelhecimento, aposentadoria, ocupação, trabalho, ócio.

 

Público alvo

Pessoas vinculadas as ILPIs ou interessados no tema.

 

Vagas
Máxima: 20 pessoas

 

Certificado será encaminhado após a conclusão do curso

 

Local:

Espaço Longeviver: Avenida Pedro Severino Junior, 366 – Sala 166 – Vila Guarani

Próximo ao metrô Conceição – linha azul

 

Contato

cursos@portaldoenvelhecimento.com.br

Avaliações

Não há avaliações ainda.

Apenas clientes logados que compraram este produto podem deixar uma avaliação.