Exibindo 37–46 de 46 resultados

E-book: Depressão e Perdão

R$ 9,90

Envelhecer é um desafio, mas envelhecer bem é um desafio ainda maior. Não somos preparados para envelhecer, esperamos ser eternamente jovens e acreditamos piamente que apenas os outros envelhecem. No mundo real não é bem assim, os problemas do dia a dia vêm sobre nós a todo instante e somos confrontados com a nossa realidade, ou seja, com nossos limites. Quando nos damos conta, o tempo passou e a vida muda de sentido.

Vivenciar a experiência do envelhecer é se dar conta que essa jornada começa no momento em que somos concebidos. Neste exato momento tem início o processo do envelhecimento. Por isso, seria importante que durante a nossa infância, adolescência e juventude nos perguntássemos: como trato o idoso que carrego dentro de mim?

Sim, nós não envelheceremos a partir do momento em que completarmos 60 anos de idade (ou 65 nos países desenvolvidos, conforme a Organização Mundial de Saúde – OMS). O processo de envelhecimento é inexorável, irreversível, mas não é uma doença, é próprio da vida, que nos faz crescer se nos permitirmos viver intensamente cada fase. E envelhecer é algo idiossincrático, isto é, próprio de cada indivíduo, não existe uma fórmula que possa ser aplicada a todos.

Este livro apresenta algumas técnicas que podem ser aplicadas a pessoas de qualquer idade, mas sobretudo seriam importantes para as pessoas com mais idade, como no caso da personagem do livro, Maria, que se deixa ajudar e, aos 50 anos, revê seus fantasmas e tira fardos das costas. Faz isso com o intuito de ter uma melhor velhice, mas acreditamos que não é preciso esperar tanto para se conseguir.

E-book: Envelhecer com Fibromialgia

R$ 9,90

A vivência profissional como assistente social e colaboradora do Instituto de Medicina Física e Reabilitação do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, além da trajetória acadêmica e de pesquisadora fortemente associada aos aspectos relacionados ao envelhecimento, levam a autora a questionar, refletir e mergulhar nas profundezas da dor, na tentativa de compreender e apontar saídas para quem sofre com essa doença invisível.

A fibromialgia, uma dor que se instala no corpo e permanece, tem características peculiares. Acomete principalmente mulheres; provoca impacto negativo no cotidiano das pessoas; compromete a capacidade de desenvolver atividades rotineiras e manter relacionamentos saudáveis; e muitas vezes afasta a pessoa do trabalho e a leva ao isolamento.

A autora revela que a dor, qualquer dor, quando não controlada, torna-se crônica e assume a forma de um ente que invade, toma conta do corpo e da alma de forma lenta e insidiosa, transformando o dia a dia de quem a carrega no desafio de Sísifo, aquele que leva sua dor pra cima e pra baixo sem esperança de cura.

E-book: Gerontologia e Transdisciplinaridade

R$ 9,90

Este livro é uma produção internacional (Brasil/Portugal/Espanha) na área da Gerontologia Social.

Vivemos numa época de grande vertigem, a informação é crescente e veloz, estamos na era do conhecimento e a Ciência em muito contribui para isto. Fizemos avanços sociais, educativos e médicos extraordinários, motivados pela ilusão do progresso contínuo e ilimitado.

Após Prometeu roubar o fogo aos deuses, o fogo do saber, acreditamos que tudo é possível. Com Adão e Eva passamos a comer do fruto da árvore do conhecimento, ganhamos a consciência do bem e do mal.

Passamos a domar as forças da natureza, exploramos a exterioridade, mas nos esquecemos do fogo das emoções, nos esquecemos da chama de Héstia, a deusa que ilumina o interior da casa. Recalcamos a sensibilidade e o senso comum, subjugando-os à Razão. E a Razão domina a ação do Homem, esquecida que está da sua gêmea, a Emoção.

O Saber do Todo passa para o conhecimento da Parte, do senso comum passa-se para a Disciplina e da Disciplina para a Ciência.

A Ciência cresceu, especializou-se, ganhou terreno, construiu fronteiras, mas ignorou as pontes com outros saberes. Sem pontes, a Ciência ignora sua história, da qual apenas restam vestígios.

Neste livro procuramos descobrir as pontes e abrir sentidos. Uma ponte de saberes, uma ponte de diálogo em que a história é central. Seguimos o sentido do saber que no seu vai e vem se apresenta plural. Partimos para esta viagem tendo como estrada o envelhecimento e a velhice, e como veículo a Gerontologia.

Nosso mapa é a transdisciplinaridade e o percurso se faz pelo território da vida e do humano.

Ao longo desta viagem faremos várias paradas e descobriremos múltiplas paisagens.

E-book: Habitação e Cidade para o Envelhecimento Digno

R$ 9,90

Este livro é um trabalho coletivo que oferece aos leitores um panorama diversificado, com temáticas que ilustram os desafios relacionados à habitação digna na velhice em meio urbano. Abarca questões inéditas ou pouco presentes na literatura brasileira, tais como cidades acessíveis e caminháveis, moradias assistidas, condomínios, co-lares, centros de acolhida, instituições de longa permanência e centros-dia, sempre em relação à velhice e ao envelhecimento. Engloba reflexões de âmbito mais geral mas, também, estudos específicos sobre determinado bairro ou local. O conjunto da obra ganha relevância no cenário de envelhecimento populacional. Os artigos apresentados conjugam saberes de diversas áreas como Arquitetura, Urbanismo, Direito e Ciências da Saúde, propondo-se a um diálogo no campo da Gerontologia, em vistas à promoção da qualidade de vida e do envelhecimento com dignidade.

Os textos desta coletânea serviram como base para o III Congresso Internacional de Gerontologia promovido pela USP-Leste (EACH) e foram coordenados pelas professoras Maria Luisa T. Bestetti e Bibiana Graeff, professoras da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo (USP), ligadas a graduação e pós-gradução em Gerontologia.

E-book: Labirintos da Memória: quem sou?

R$ 9,90

A origem da palavra Memória remete à mitologia greco-romana e à deusa Mnemósine, personificação da memória ou lembrança, filha do Céu e da Terra, irmã de Cronos – o deus que preside o tempo – e mãe das Musas que com ela regem as artes e todas as formas de expressão, especialmente a poesia.

Vemos, nessa perspectiva, uma articulação importante que permeia e amplia o tema, entre memória, tempo e narrativa, como arte de expressão. Assim, verificamos que desde os tempos mitológicos, passando por filósofos como Platão, Aristóteles, Santo Agostinho entre  outros. Até hoje o tema Memória, e os termos que dele se desdobram, tem sido objeto de reflexão também da filosofia, das religiões e da linguística, como arte narrativa. Se pensarmos no amplo tema – Tempo –, intrinsecamente ligado à Memória, podemos também incluir a física, a história, a antropologia, entre outras ciências.

Se a mitologia explica de forma poética a origem e o significado da memória, se ao longo do tempo a filosofia e outras ciências indagam sobre sua condição e sentido para o Homem, podemos verificar que abordar o tema requer uma ampla abertura do pensamento em uma perspectiva interdisciplinar. É o que este livro faz.

E-book: O Alemão Pegou o Bonde

R$ 9,90

Ao contar como a DA, Doença de Alzheimer, entrou na nossa vida, garfando mamãe aos pouquinhos, compartilho com pessoas que vivem situações semelhantes a esperança de continuar suas vidas sem embarcar no bonde do desespero. Este ninguém merece. Se alguém pensa que conviver com o Alemão é fácil, divertido, engraçado, pode tirar o cavalinho da chuva, montar e galopar para ir se tratar no primeiro pinel que encontrar pelo caminho. Pronto, falei.

O Alemão, apelido pelo qual tratamos o Alzheimer, é tão assustador quanto aquele outro alemão que mesmo depois de morto e enterrado ainda nos assusta por meio de seguidores obtusos. Um sacudiu o mundo com seu horror; o outro sacode famílias ao eliminar quaisquer zonas de conforto.

Atenção, cuidado, muito cuidado, pois sem o reconhecimento e a aceitação da presença do Alemão o futuro da família se esfacela de fato. Entendo a dificuldade em aceitá-lo, a rejeição, afinal, quem em sã consciência se dispõe a acolher um alemão que entra com os dois pés na sua casa e chega mandando, impondo mudanças, ameaçando tirar o juízo de todos, não só da anfitriã ou anfitrião, chega disposto a acabar com o parco conforto familiar? A princípio, ninguém quer receberesse visitante, mas vou dizer uma coisa, acolher o Alemão não é uma opção, trata-se de uma necessidade. Como assim? Falo por experiência própria, infelizmente.

E-book: O Alemão Veio nos Visitar

R$ 9,90

O Alemão Veio nos Visitar é uma obra fantástica de ressignificação da dor inicial quando a autora se debate com a confirmação do diagnóstico de Alzheimer de sua mãe.

Leitura leve, hilária em muitos momentos, mas com profunda consciência e indignação em muitos dos relatos; do quanto nossa sociedade está despreparada para lidar com o envelhecimento humano em si, e menos ainda com idosos frágeis e vulneráveis por serem portadores de síndromes demenciais; quanto o sistema de saúde pode ser um sério complicador e fator de estresse e sofrimento para pacientes e familiares.

O livro nos faz refletir seriamente do quanto ainda engatinhamos na gestão de portadores, cuidadores e familiares da Doença de Alzheimer e síndromes similares.

De filha assustada a filha mergulhada e envolvida, que usa de seus dons infusos do amor filial, e dos dotes de sua vocação de engenheira, surge uma bela lição de vida e um testemunho de sofrimento levado com humor, inteligência e criatividade.

Este livro é um forte aliado para profissionais, familiares e cuidadores que se envolvam na leitura deste livro.

As palavras acima são do geriatra Adriano Gordilho, estudioso da Doença de Alzheimer, que acompanha dona Detinha, a personagem principal do livro, há mais de 17 anos e pesquisa o fenômeno com atenção, pois, depois do diagnóstico, os pacientes vivem em média dez anos e de forma bastante precária. Detinha, no entanto, ainda apresenta alguma autonomia e interage com alguns profissionais, especialmente com a autora, Rosana Leal, filha e principal cuidadora.

E-book: Poética da Velhice – 32 propostas de atividades

R$ 9,90

Leituras, atividades e diálogos sobre o viver e o envelhecer.

Cristiane T. Pomeranz, arteterapeuta com mestrado em gerontologia, apresenta um livro delicioso, uma obra de arte em forma de crônicas do cotidiano a partir do seu viver e da interação com idosos, muitos deles com Alzheimer, com os quais compartilha bons momentos em museus e ILPIs com seu magnífico projeto Faça Memória. O livro está dividido em quatro eixos: Velhice e Arte; Velhice, Tempo e Espaço; Velhice e Intergeracionalidade e Velhice e Finitude. Nele, a autora propõe 32 atividades para idosos. São atividades simples e eficazes, que permitem altos voos aos participantes. Ela o escreveu como um presente para sua mãe, mas podemos considerá-lo um presente para todos nós, especialmente para quem trabalha com idosos ou tem parentes com alguma dificuldade cognitiva.

Cada crônica, além de propor uma atividade prática, tem uma ilustração na forma de desenho que pode ser pintada.

 

Este livro faz parte do COMBO de 3 LIVROS COM PROPOSTAS DE ATIVIDADES para idosos. Quer saber mais sobre o combo? Clique no link abaixo:

https://edicoes.portaldoenvelhecimento.com.br/produto/combo-3-livros-com-propostas-de-atividades-para-idosos/

E-book: Sexualidade e Longevidade: A Essência da Maturidade

R$ 19,90

A sexualidade não se restringi apenas ao funcionamento fisiológico do corpo, neste livro ela é compreendida em seu aspecto amplo, como uma experiência que dá sentido e significado à existência humana, sendo, portanto, uma função vital que congrega múltiplos fatores – de ordem biológica, psicológica, social e cultural.

Desta maneira, a sexualidade na velhice, assim como nas demais faixas etárias, não se refere somente à prática sexual em si, mas a troca de afeto, carinho, companheirismo, cumplicidade, cuidados recíprocos, segurança e conforto.

É comum as pessoas, em algum momento da vida, buscarem um parceiro ou uma parceira com quem possam compartilhar afetividade. Portanto, o sexo na velhice envolve tanto a parte física como a emocional, possibilita experiências criativas e exige sensibilidade, como em qualquer fase da vida.

Observamos, porém, que o desejo sexual só se encontra em pessoas longevas que atribuíram ao longo da vida um valor positivo à sexualidade. Pessoas que costumeiramente repudiaram tal dimensão da existência utilizam a desculpa de estarem velhas para essas coisas, o que demonstra que a vida sexual se prolonga tanto mais, quanto mais rica e mais feliz tiver sido em tempos anteriores.

O envelhecimento, como qualquer outro processo humano, é uma experiência heterogênea – ocorre de modo diferente para pessoas que vivem em contextos distintos. Essa diferenciação depende da influência de circunstâncias histórico-culturais, de fatores intelectuais e de personalidade, dos hábitos e atividades físicas e da incidência de patologias genéticas.

Este livro está dividido em duas partes, uma teórica, que discute a sexualidade na velhice a partir de um contexto histórico-cultural, e outra que são os relatos obtidos na prática terapêutica do autor/psicólogo que servem como exemplos/modelos a serem perseguidos e trabalhados por todos os profissionais e familiares que lidam com idosos desejosos de realizações sexuais.

 

E-book: Vulnerabilidade Humana e Envelhecimento

R$ 9,90

Esta obra possui linguagem clara e objetiva, mescla uma narração de cunho histórico com uma visão contemporânea sobre o direito humano à velhice.

Ao me questionar sobre as diversas vulnerabilidades a que estamos sujeitos, sou instigado, com as páginas do presente estudo, a perceber que nesse mundo de complexas relações de disputa e poder, somos e/ou seremos, em algum momento de nossas vivências, Todos Vulneráveis.

Esta é uma obra singular, produto de uma pesquisa que busca investigar as inúmeras rupturas (vulnerabilidades) presentes no panorama social, mas focalizando um grupo social específico: os idosos. A autora transcende o campo teórico-conceitual e se debruça pelas vivências e inquietações dos idosos, verificando a situação especial que circunda o fenômeno do envelhecimento.

O livro trata dos componentes do conceito vulnerabilidade e Direitos Humanos, uma vez que o Direito transita entre caminhos de proteção e promoção, reconhecimento e redistribuição, prevenção e reparação, deveres estatais e deveres pessoais.

Aborda o surgimento do ramo Direito do Idoso e como as particularidades dessa parcela da população demandam atuações diferenciadas. Mostra o desafio de conjugar ser e dever ser, fragilidade e força, proteção e promoção, tutela e autonomia, abstração legal e concretude de feridas expostas, diferenciação e privilégios.