Mostrando 1–12 de 15 resultados

Curso: Atividades de Estimulação Cognitiva pelo Familiar ou Cuidador

R$ 235,00

Pagamento via site: boleto bancário ou cartão de crédito

 

DESCONTOS:

10% para depósito bancário

20% para estudantes

30% para alunos e ex-alunos do Fragilidades na Velhice (PUC-SP)

30% para ex-alunos de cursos do Espaço Longeviver

(mandar mensagem para o e-mail cursos@portaldoenvelhecimento.com.br)

 

Datas:

Quartas-feiras:

15/04

22/04

29/04

 

Horário: 15h às 18h
Carga horária total: 9 horas

 

No caso de idosos com diagnóstico de demência, a estimulação cognitiva tem o objetivo de ativar as funções existentes para permitir que elas compensem as comprometidas, estabilizar ou impedir a progressão da doença por mais tempo.

Fornecer informações básicas sobre estimulação cognitiva e ensinar algumas atividades práticas que podem ser aplicadas na rotina de cuidados no domicílio pode ser uma alternativa a auxiliar na estabilização ou resultar até mesmo em leve melhora dos déficits cognitivos e funcionais do paciente com diagnóstico de demência, tornando-o mais independente.

 

Objetivos:

Capacitar familiares e cuidadores a estimular o idoso com dificuldades cognitivas no cotidiano do cuidar; Favorecer a elaboração de pistas para comunicação e troca de informação com o idoso, ampliando sua capacidade de raciocínio.

 

 

 

Curso: Centro Dia para Idosos: como se faz?

R$ 299,00

Pagamento: Boleto bancário ou Cartão de Crédito

 

DESCONTOS:

10% para depósito bancário

20% para estudantes

30% para alunos e ex-alunos do Fragilidades na Velhice (PUC-SP)

30% para ex-alunos de cursos do Espaço Longeviver

(mandar mensagem para o e-mail cursos@portaldoenvelhecimento.com.br)

 

Datas:

Final de Semana

16/05 – Sábado das 9h30 às 18h30

17/05 – Domingo das 9h30 às 13h30

 

Carga horária: 12h horas

 

A questão da longevidade emerge como tema de impacto socioeconômico e a urgência da compreensão quanto as necessidades da população que envelhece e o alinhamento com as responsabilidades sociais, direitos e deveres legais nos chamam para um detalhamento e direcionamento de cenários como a implantação de serviços para idosos. A contextualização dos serviços sócio sanitários integrados como é o caso do centro dia para idosos se faz necessária na esfera pública e privada com o intuito de estabelecer critérios de qualidade para os serviços de centro dia.

 

Objetivo:

Orientar pessoas envolvidas com o tema por meio da reflexão contextualizada com base em informações atualizadas sobre os centros dia para idosos no Brasil quanto às principais questões que impactam na implantação e funcionamento do serviço com qualidade. Com discussão crítica e dinâmica a proposta é desenvolver a reflexão sobre o serviço de centro dia com bases reais quanto a dinâmica do funcionamento do serviço.

 

Metodologia:

Aula discursiva, expositiva e dialogada a partir de referências atuais e experiências práticas, com dinâmicas e reflexões, discussões de casos e apresentação de vídeos em que os inscritos poderão esclarecer suas principais dúvidas a respeito dos centros dia, esboçar seus projetos e esclarecer dúvidas.

 

Conteúdo Programático:

  • O que é centro dia?
  • Quem é o público atendido?
  • Bases legais: deveres e responsabilidades
  • Estrutura física
  • Rotinas, RH
  • Aspectos financeiros
  • Implantação e funcionamento
  • Escolhas de gestão
Promoção

Curso: Os Fazeres dos Idosos em ILPIs

R$ 350,00 R$ 299,00

Até 12 vezes no Cartão de Crédito

 

DESCONTOS:

10% para depósito bancário

20% para estudantes

30% para alunos e ex-alunos do Fragilidades na Velhice

30% para ex-alunos de cursos do Espaço Longeviver

Para saber como usar os descontos basta mandar mensagem para o e-mail cursos@portaldoenvelhecimento.com.br especificando seu caso.

 

Datas:

Final de semana:

 

15/02 – Sábado das 9h30 às 18h30

16/02 – Domingo das 9h30 às 13h30

 

Carga horária: 12 horas

 

Como os idosos residentes em instituições de longa permanência poderão usufruir de uma velhice ativa e com qualidade a partir de serviços individualizados que respeitem a personalidade, privacidade, modos de vida diversificados e dando-lhes a oportunidade de encontrar desejos e necessidades ocupacionais ímpares diante de uma rotina institucional necessária?

 

Questão polêmica e complexa que envolve aspectos políticos, sociais, econômicos, de saúde e psicoemocionais, que nos traz à tona a cotidianidade institucional e de que maneira ele facilita ou impede os fazeres dos residentes. Sabe-se que o fazer humano é essencial ao equilíbrio físico, psicoemocional e social do idoso, na medida em que favorece o continuar vivendo, mesmo que fatos negativos possam interpor-se ao processo de envelhecimento. Estimula-o a continuar a fazer planos, estabelece os contatos sociais, tornando ativo, participante de sua comunidade, autônomo, aos olhos da sociedade, um velho sem o estigma de velho. Daí a importância de se discutir quais ocupações estão sendo dadas aos idosos residentes nas instituições de longa permanência, quais os critérios de escolha e se estas satisfazem as necessidades físicas, emocionais e sociais de cada um.

 

Conteúdo Programático

 

  • A opção pela institucionalização e os desafios do longeviver em uma instituição.
  • As instituições de longa permanência no Brasil.
  • O idoso residente e os aspectos do cuidado e da qualidade de vida na instituição de longa dependência.
  • Os fazeres cotidianos e de rotina institucional.
  • A dificuldade de adesão as atividades.
  • A importância da ocupação significativa e dos papéis ocupacionais na velhice.
  • A indicação de atividades para o idoso residente a partir de uma avaliação criteriosa – Elaborando um diagnóstico.
  • Estudo de caso.

 

Curso: Práticas Culturais para Idosos: como e quais propor?

R$ 299,00

Pagamento: Boleto bancário ou Cartão de Crédito

 

DESCONTOS:

10% para depósito bancário

20% para estudantes

30% para alunos e ex-alunos do Fragilidades na Velhice (PUC-SP)

30% para ex-alunos de cursos do Espaço Longeviver

(mandar mensagem para o e-mail cursos@portaldoenvelhecimento.com.br)

 

 

Datas:

 

Final de Semana

28/03 – Sábado das 9h30 às 18h30

29/03 – Domingo das 9h30 às 13h30

 

Carga horária: 12 horas

 

Será que as ações socioculturais que estão sendo propostas por diversas instituições realmente incentivam as pessoas acima dos 60 a se reinventarem? A lançarem-se em busca de seus desejos? A perceber-se em suas singularidades? A olhar em sua volta…? Quais e que tipos de ações, atualmente, são ofertadas ? O que de fato propõem?

 

Na contemporaneidade, ainda que a velhice tenha alcançado maior visibilidade a questão do envelhecimento ainda é tratada como problema, abordagem que reforça preconceitos. O imaginário social é repleto de mitos e estereótipos que percebem a velhice – e o envelhecer – apenas como período de perdas e carências.

Esta oficina visa dialogar e instrumentalizar especialistas e profissionais da área para projetarem ações socioculturais para que, entre outros contextos possíveis no cotidiano urbano possam, efetivamente, contribuir para a percepção das singularidades, para a experimentação da vida e para construção de pequenas resistências no cotidiano. Todos envolvidos no processo – e, particularmente, especialistas e profissionais da área – têm papel fundamental nessa construção.

Promoção

Curso: Síndromes Geriátricas

R$ 250,00 R$ 219,00

Pagamento: Boleto bancário ou Cartão de Crédito

 

DESCONTOS:

10% para depósito bancário

20% para estudantes

30% para alunos e ex-alunos do Fragilidades na Velhice (PUC-SP)

30% para ex-alunos de cursos do Espaço Longeviver

(mandar mensagem para o e-mail cursos@portaldoenvelhecimento.com.br)

 

 

Data:

Sábado

18/04

 

Horário: 9h30 às 18h30

Carga horária:  8 horas (com pausa para o almoço)

 

Uma visão sobre quais são as grandes síndromes geriátricas e sua repercussão para a vida do idoso, de seus familiares e grupo social. Identificação de oportunidades de melhoria da qualidade de vida dos portadores.

 

Conteúdo programático

  • O que são e quais são as síndromes geriátricas
  • Incapacidade cognitiva (demência e depressão)
  • Instabilidade postural
  • Incapacidade comunicativa
  • Incontinência urinária
  • Imobilidade (queda e sarcopenia)
  • Iatrogenia
  • Isolamento social
  • Insuficiência familiar
  • Resistência à insulina
Veja sua lista de desejos!

Indicadores Sociais e População Idosa na Cidade de São Paulo

R$ 299,00

DESCONTOS:

10% para depósito bancário

20% para estudantes

30% para alunos e ex-alunos do Fragilidades na Velhice (PUC-SP)

30% para ex-alunos de cursos do Espaço Longeviver

(mandar mensagem para o e-mail cursos@portaldoenvelhecimento.com.br)

 

 

Data:

Final de Semana

14/03 – Sábado das 9h30 às 18h30

15/03 – Domingo das 9h30 às 13h30

 

Carga horária: 12 horas

 

O que são indicadores? O que são indicadores sociais?

Que ferramentas preciso conhecer para entender as demandas desse segmento da população?

Quais estão disponíveis para pesquisas sobre idosos?

 

 

Conteúdo:

  • Definição de indicadores
  • Definição de indicadores sociais
  • Características de um bom indicador
  • Como construir indicadores simples
  • Como construir indicadores sintéticos
  • Como construir um sistema de indicadores
  • Indicadores significativos para compreensão da população idosa
  • Como proceder pesquisas sobre indicadores sobre a população idosa
  • Análise e comparação de indicadores de oferta socioassistencial para a população idosa na cidade de São Paulo
  • Análise e comparação de indicadores de demanda socioassistencial para a população idosa na cidade de São Paulo
Veja sua lista de desejos!

Oficina de Narrativas com Cremilda Medina

R$ 235,00

 

Descontos:

DESCONTOS:

10% para depósito bancário

20% para estudantes

30% para alunos e ex-alunos do Fragilidades na Velhice (PUC-SP)

30% para ex-alunos de cursos do Espaço Longeviver

30% para alunos e ex-alunos da ECA

(mandar mensagem para o e-mail cursos@portaldoenvelhecimento.com.br)

 

 

Datas: Quartas-feiras:

20/05

27/05

03/06

Horário: 14h às 17h
Carga horária: 9 horas (3 encontros de 3 horas)

 

PRIMEIRA UNIDADE:

Como construir histórias do protagonismo social.
Complexidade informativa:
– O protagonista e o contexto coletivo;
– Raízes histórico-culturais;
– Diagnósticos e prognósticos de especialistas.

Laboratório de leitura cultural:
Conto da escritora portuguesa Teolinda Gersão “As tardes de um viúvo aposentado” (do livro A mulher que prendeu a chuva, Lisboa, Sudoesta Editora,2007).

 

SEGUNDA UNIDADE

Possibilidades da estrutura narrativa, inspiradas na captação do
REAL e editadas pela criatividade do AUTOR:
– Linearidade no tempo e contiguidade nos espaços;
– Ruptura da linearidade temporal;
– Tempos e espaços alternados; tempo e espaço do imaginário;
– Cenas, ação; alternância com sinopses informativas.
– Oratura e literatura nos diálogos.

Laboratório : a representação da oralidade: Texto experimental de Cremilda Medina do livro A arte de tecer o presente, narrativa e cotidiano, São Paulo, Summus Editorial, 2003.

 

TERCEIRA UNIDADE

A arte de criar narradores:
– Distinção entre AUTOR e NARRADOR;
– A superação da pessoa verbal declaratória para a fluência expressiva;
– Pluralidade de narradores ou a democratização da voz autoritária do autor.

Laboratório: experimento de narradores múltiplos.

Promoção

Oficina: Aposentadoria – crise ou liberdade?

R$ 150,00 R$ 109,00

Até 12 vezes no Cartão de Crédito

 

DESCONTOS:

10% para depósito bancário

20% para estudantes

30% para alunos e ex-alunos do Fragilidades na Velhice

30% para ex-alunos de cursos do Espaço Longeviver

Para saber como usar os descontos basta mandar mensagem para o e-mail cursos@portaldoenvelhecimento.com.br especificando seu caso.

 

Datas:

21/03 – Sábado

 

Horário: 9h30 às 13h30

Carga horária total: 4 horas

 

 

É comum a dualidade de sentimentos “crise ou liberdade” referentes à aposentadoria, ou seja, de um lado estão os que vivenciam esse fenômeno como crise e, de outro, aqueles que a percebem como uma oportunidade de uma vida com mais autonomia e prazer (SANTOS, 1990). Apesar dessas diferenças individuais, em geral, os trabalhadores almejam uma aposentadoria bem-sucedida. Mas o que fazer para se viver uma aposentadoria com qualidade de vida?

 

Conteúdo programático:

  • Integração inicial
  • O envelhecimento do trabalhador e o desafio de lidar com a aposentadoria
  • Teorias relacionadas à aposentadoria
  • Aspectos e variáveis que podem facilitar ou dificultar o bem-estar das pessoas nesse processo de transição.
  • Aplicação de instrumentos para a construção de um plano de ação individualizado
Promoção

Oficina: Como ler um edital de chamamento e elaborar projetos sociais

R$ 250,00 R$ 219,00

Pagamento: Boleto bancário ou Cartão de Crédito

 

DESCONTOS:

10% para depósito bancário

20% para estudantes

30% para alunos e ex-alunos do Fragilidades na Velhice (PUC-SP)

30% para ex-alunos de cursos do Espaço Longeviver

(mandar mensagem para o e-mail cursos@portaldoenvelhecimento.com.br)

 

 

Data:

Sábado

08/02

 

Horário: 9h30 às 18h30

Carga horária:  8 horas (com pausa para o almoço)

 

Os editais do Fundo do Idoso lançados até o momento (Estadual e Municipal), para muitas organizações sociais que estão atuando com o segmento idoso é normalmente cheio de informações complexas de ler e entender. Mas a leitura de um edital é fundamental para saber o que se tem que ter para elaborar e apresentar um projeto que vá depois ajudar a consolidar ou ampliar o trabalho na região onde a organização atua. A não entrega de um documento ou o descumprimento de um quesito pode eliminar um bom projeto.

 

E elaborar um projeto? Essa etapa para muitos é incompreensível, pois demanda certos conhecimentos e tempo específicos que muitos não têm. Daí a realização desta oficina onde compartilharemos noções básicas para compreensão de editais e os elementos que compõem normalmente um projeto, que nada mais é do que as fases a serem cumpridas para que a proposta seja relevante socialmente para os idosos. Assim, coerência, objetividade e relevância são três características importantes que todos os projetos devem apresentar, respondendo é claro às seguintes perguntas: O que quero propor? Por que? Onde? Quando e Por quem?

 

Vendo assim parece simples, mas destrinchar estas perguntas levando em conta a coerência, a objetividade e a relevância não é nada fácil.

Oficina: Velhices em Jogo: Idosos + Jogos (digitais e não digitais)

R$ 159,00

Pagamento via site: Boleto bancário ou Cartão de Crédito (em até 12 vezes)

 

DESCONTOS:

10% para depósito bancário

20% para estudantes

30% para alunos e ex-alunos do Fragilidades na Velhice (PUC-SP)

30% para ex-alunos de cursos do Espaço Longeviver

(mandar mensagem para o e-mail cursos@portaldoenvelhecimento.com.br)

 

 

Datas:
25/04

Horário: 10h às 17h
Carga horária: 6 horas

 

Conteúdo Programático:

2h: Idosos, Jogos e benefícios

2h: Práticas de Jogos Digitais

2h: Práticas de Jogos não digitais

 

Duas perguntas muito recorrentes norteiam este curso teórico e prático: Idosos jogam?
Jogam para quê? Além da diversão e do prazer de jogar, não é necessário um motivo para
jogar que não seja a vontade espontânea ou a curiosidade, mas podemos citar muitas razões
científicas para estar em jogo e propor jogos aos idosos, relatamos algumas:

❏ Se pensarmos em jogos com movimentos do corpo (videogame) – a movimentação
física é incentivada, assim como a coordenação motora, marcha, recuperação de
funcionalidades e movimentos;

❏ Se a ideia é trabalhar a mente – a diversão é uma grande aliada da cognição e favorece
a memória, concentração, tomada de decisão, criação e análise de estratégias,
resolução de problemas;

❏ Quando mente e corpo se beneficiam, as emoções também são trabalhadas –
mudanças de humor, diminuição do estresse e solidão, melhoras na autoestima,
autoconfiança;

❏ A mistura das três esferas (física, cognição, emocional) dá margem para as interações
sociais, que retroalimenta os aspectos citados. Os idosos trocam saberes com os
colegas, saberes prévios ou que acabaram de aprender nos jogos, percebem suas
potências e seus desafios, e os identificam também nos outros colegas e cuidadores, o
que dá espaço para o diálogo e afeto.

 

Roda de Conversa com Bordado: O que importa são os modos de viver

R$ 40,00

Pagamento: Boleto bancário ou Cartão de Crédito

 

DESCONTOS:

10% para depósito bancário

20% para estudantes

30% para alunos e ex-alunos do Fragilidades na Velhice

30% para ex-alunos de cursos do Espaço Longeviver

Para saber como usar os descontos basta mandar mensagem para o e-mail cursos@portaldoenvelhecimento.com.br especificando seu caso.

 

Data:

Quarta-feira

01/04

 

Horário: 14h às 17h
Carga horária: 3 horas

 

O que importa são os modos de viver

Aliando escuta, fala e bordado esta roda se propõe a refletir sobre as seguintes questões:

  • É possível traçar uma linha de vida entre a ciência, a filosofia e a arte que possibilite um modo de existir outro, ou seja, aquele que não segue um modelo preestabelecido mas que cria suas próprias condutas?
  • É possível que o reconhecimento e acolhimento das incertezas, acasos e o desejo de persistir no caminho da vida cotidiana, resulte em uma ética afirmativa na produção de bons e alegres encontros que ampliam sensibilidades, lugares e tempos?

Iniciaremos estabelecendo uma conversa com o Movimento das Beguinas – comunidade medieval de mulheres cientistas, artistas e educadoras – e com a experiência contemporânea do grupo de bordado Teia de Aranha – grupo de 10 mulheres que bordam a partir da literatura desde 2001. Ao mesmo tempo realizaremos uma prática de bordado livre e coletivo.

 

A proposta metodológica desta Roda é fundamentada na Antroposofia e tem como objetivo aliar: o pensar, o sentir e o fazer. Reflexão que se dá no corpo-fazedor e entre corpos-fazedores gerando assim um campo de percepções e possibilidades. É nesse campo que teceremos nossa conversa, não na tentativa de encontrarmos uma única resposta para nossas questões iniciais, mas sim de criarmos [c]o[m]posições potentes para seguirmos pensando a Vida.

Workshop: Cuidado Centrado na Pessoa

R$ 40,00

Pagamento: Boleto bancário ou Cartão de Crédito

 

DESCONTOS:

10% para depósito bancário

20% para estudantes

30% para alunos e ex-alunos do Fragilidades na Velhice (PUC-SP)

30% para ex-alunos de cursos do Espaço Longeviver

(mandar mensagem para o e-mail cursos@portaldoenvelhecimento.com.br)

 

 

Data:

Terça-feira

28/01

 

Horário: 10h às 12h30

Carga horária:  2,5 horas

 

As melhores evidências científicas demonstram que, ao prestar assistência à saúde de pessoas que são afetadas por alguma doença crônica, a abordagem baseada em equipe é a que traz melhores resultados, lembrando que as pessoas e seus cuidadores devem sempre estar no centro de qualquer plano de cuidados. Hoje os esforços mundiais se voltam para a implantação do Cuidado Centrado na Pessoa – essencial para o bom atendimento de qualquer enfermo. Trata-se de um método que desloca o olhar dos profissionais da saúde, voltado para a doença, trazendo-o para a pessoa acometida por qualquer condição ou agravo.

 

As doenças crônicas, em que as demências se encaixam, exigem outra forma de relação profissional de saúde-enfermo na qual o vínculo e o respeito à autonomia do adoecido, a preocupação com fatores outros além do corpo – família, condições da casa desta pessoa, projetos de vida – passam a ter importância fundamental, já que, em sua grande maioria, são doenças que não tem cura.

 

Neste cenário, habilidades comunicacionais, empatia, responsabilidade para com a pessoa que sofre, o entendimento das necessidades de cada um, cuidado por longo tempo, são questões incorporadas à formação dos profissionais de saúde no sentido de tentar reverter o que se denomina “desumanização”.